Arquivo da categoria: Rafaela Uchoa

O despertar para um sonho

bli

O celular a desperta uma hora antes do previsto. Mas não como um simples despertador e sim pela sua ansiedade de saber quais as novidades em suas redes sociais. Olívia acorda para fazer xixi, ao abrir os olhos a primeira coisa que seu consciente lhe diz é para ver o celular. Enquanto confere quantas curtidas recebeu, seu sono se esvai e ela passa o resto do dia cansada.

Ela trabalha num escritório de advocacia há três anos como secretária, mas queria mesmo ser pianista. Sua vó lhe ensinou a tocar desde muito pequena, mas ela não conseguiu se sustentar de música. Olívia vive cansada e insatisfeita com o jeito que gasta dez horas diárias de sua vida. Afinal, são oito horas de trabalho e mais uma hora pra ir e outra pra voltar quando o trânsito ajuda. O escritório é longe. Três baldeações de metrô e depois dois ônibus para cada trecho, ao todo dez transportes por dia só para trabalhar. A região onde fica o escritório é muito cara para se viver e seu entorno também. Os avós de Olívia moravam por lá, mas desde a geração dos seus pais para quem não tem muito dinheiro ficou impossível fazer parte da cidade, a única coisa que lhes restou foi ir para a periferia e ter o mínimo de acesso possível.

Ultimamente seu hobby tem sido sonhar. Olívia descobriu que a única hora que não se sente explorada ou sugada é durante seu sono. Ela correu atrás de alguns livros sobre o assunto. Um deles fala sobre um cara que aprende a sonhar com um sábio índio espiritualista. Ele afirma que existem universos paralelos no mundo do sonhar que também são reais e podem até influenciar nessa realidade.

Olívia lia antes de dormir com algumas interrupções para a checagem no celular se suas fotos e mensagens dos amigos e parentes tinham tido boa aceitação. Na vida prática, Olívia tinha duas amigas, uma desde a infância e outra que conhecera no trabalho, mas nas redes sociais tinha literalmente mais de mil amigos, a maioria nunca conheceu pessoalmente. Apesar da popularidade virtual, Olívia se via muito cansada de tudo. Sentia que a cada dia abdicava mais dos seus desejos e vivia sendo levada pelas obrigações. A falta de dinheiro, o trabalho maçante, a necessidade de compartilhar suas fotos no facebook buscando aprovação eterna para sua aparência e seus gostos, tudo isso lhe desanimava profundamente, mas não sabia como fazer diferente. Olívia estava a espera de uma salvação que estaria em qualquer lugar menos nela.

Sobre o significado do sonho existem duas visões predominantes; uma se caracteriza como a experiência de sentir e vivenciar situações diversas durante o sono e a outra diz respeito aos desejos e metas que a pessoa tem. Olívia até agora não tinha conseguido concretizar nenhum de seus sonhos, nem o de ter tocado numa orquestra, nem o de viajar pra fora do Brasil, nem o de escrever um livro. Viveu um sonho, mas ele acabou muito rápido. Amou e foi amada, mas perdeu seu amor num acidente de carro. Ela sabia que se não mergulhasse em outra forma de viver, de sentir e tornar-se, não resistiria. A depressão é a doença do século, Olívia tinha medo de ficar deprimida, pois assistiu sua mãe definhar até a morte por ser maníaco depressiva. Desde que descobriu que pode sonhar, achou algum sentido na vida.

Ao estudar os sonhos Olívia descobriu que podia ficar consciente dentro deles e até mudar seu conteúdo de acordo com sua força energética. Ela quer muito conseguir fazer viagens pelos países e planetas que sonha conhecer através do que alguns chamam de “projeção astral”. Para isso ela precisa de prática e mudanças em sua percepção. Logo percebeu que querer se sentir especial de alguma forma, seja através da internet, das roupas, das mentiras que às vezes contava pra desconhecidos para os impressionar, nada disso a fazia evoluir. Ao se sentir especial, ao achar que a auto importância é primordial, ela passa a quebrar a corrente de energia que une tudo e todos e começa a subjugar o outro. Olívia percebeu então que é daí que nasce o desejo de poder. Esse desejo é o que faz bilhões de pessoas como ela serem exploradas diariamente apenas para conseguirem o básico para sobreviver, enquanto seus chefes, braços fortes da engrenagem perversa do capital engordam suas contas bancárias e bens. Quando pensava demais em tudo isso, se sentia cada vez mais sem saída e sozinha. Na verdade sabia que a maioria da população mundial vive em situação muito mais precária que a sua. Por isso, se sentia mais sozinha, já que estão todos no mesmo barco e a maioria não se dá conta ou não sabe como escapar dessa prisão. A multidão solitária está cada vez mais neurótica e infeliz, sentia um arrepio frio e ácido no peito ao se dar conta disso tão claramente.

         E que solidão é essa para quem tem mil amigos na internet? Ficava mais tranquila quando postava um pensamento que as pessoas gostavam ou uma imagem que atingisse muitos comentários. Mas quem são essas pessoas do outro lado? O que é revelado delas nessa exposição desenfreada de tudo que se quer que o outro saiba? Por vezes, se sentia ridícula de fazer parte disso. Como fazer parte de uma rede onde muito se fala e nada se vê? Como achar caminhos para mudar o rumo da vida de todas essas pessoas, incluindo o dela mesma? Um caminho que aponte não apenas para a auto importância, mas para a noção de que precisamos todos uns dos outros e que todos somos importantes. É tão difícil que essa concepção caiba numa realidade que separa por metros pessoas em situação de rua comendo os lixos que os magnatas que moram nos apartamentos de 500m² produzem…

Olívia respirou fundo seguidas vezes até pegar no sono, aprendeu essa técnica em um livro, sua aventura começava naquele instante. Ela estava no meio da rua na Time Square em Nova Iorque, tal e qual via na internet. O relógio corria mais rápido que o normal e os carros começaram a passar por ela apressados, tinha que desviar de todos eles até que sua consciência despertou. Lembrou que estava sonhando e que poderia sair dali se usasse sua concentração e energia para isso. Então, fechou os olhos e quando os abriu estava em outra cidade, uma cidade que só parecia existir ali naquele mundo. Já sabia que os seres que via por lá eram pessoas, mas elas tinham formas e cores estranhas e seus rostos não eram nítidos. Olívia já esteve naquela cidade antes, mas não conseguia lembrar em qual circunstância. Ao caminhar pela bonita paisagem do lugar, viu plantas e animais exuberantes, diferentes dos que veria por aqui. As casas seguiam uma ordem de degrade de cores. De um lado o degrade de cores frias e do outro um degrade de cores quentes. De repente aquele cenário começou a se esvair como uma fumaça e quando se deu conta, estava no fundo do oceano, com correntes presas em seus pés. Tentava se soltar em vão, ar não lhe faltava, mas a agonia de não conseguir se soltar era imensa. Até que lembrou que se usasse sua concentração poderia sair dali, mas diante de tanta tensão preferiu tentar acordar até que conseguiu.

Olívia saltou da cama como se finalmente tivesse tirado aquela amarra dos seus tornozelos. Sua respiração ainda estava ofegante quando olhou para o relógio e viu que estava uma hora atrasada para o trabalho. Entrou em pânico porque tinha que acompanhar uma reunião importante de um dos advogados da empresa. Mas somente uma hora e meia depois chegou ao escritório. A reunião já havia acabado e ela foi demitida por tê-la perdido. Nunca havia cometido um deslize, seu atraso máximo foi de quinze minutos e nada disso foi levado em consideração, mas para ela também não importava, pois o desespero tomou conta da sua mente; como iria sobreviver daquele minuto para frente? Andava errante e perdida pelas esquinas luxuosas da cidade, aquele lugar não precisava dela, existiam milhares de pessoas dispostas a fazer o que fazia por até mais barato. Parecia que todos eram zumbis engravatados, com olhares distantes como o dela. Foi então que parou, pôs seus pertences no chão da calçada e sentou-se ao lado. Procurou apenas respirar. Alguns transeuntes perguntaram se estava bem, apenas acenava que sim com a cabeça, voltava a fechar os olhos e respirar fundo ininterruptamente. Não sabe por quanto tempo ficou assim, mas em algum momento despertou, levantou-se mais calma, pegou suas coisas e foi para casa.

Nem queria olhar o facebook hoje, estava triste demais para encarar a felicidade plástica daquela rede. Nada parecia fazer sentido a não ser o preço da sobrevivência. Não sabia a quem recorrer, por onde começar a procurar, tinha pouca experiência na vida, tinha apenas 27 anos e ninguém para lhe ajudar. Porém, ao chegar em casa todo o sentimento de peso e preocupação deram lugar a um imenso alívio. Era como se as amarras que lhe fincavam no fundo do mar no sonho tivessem a libertado no mundo real. Não tinha mais que ir para aquele lugar que detestava, lidar com assuntos que não lhe diziam respeito. Sentiu-se tão livre que começou a gritar de alegria. Não fazia ideia do que ia acontecer, mas de uma coisa tinha certeza; abriu-se uma oportunidade de, finalmente, seguir seus desejos. Então percebeu que sempre tivera essa oportunidade, o que lhe faltava era coragem de enfrentar o medo do mistério que é a existência; imprevisível e deliciosa ao mesmo tempo justamente pelas suas infinitas possibilidades. Ela seguiu sua jornada de atravessar portais dos sonhos e da realidade, mas dessa vez guiada pelo amor e por um enorme desejo de mudança. Subiu no parapeito da casa mais alta e vermelha daquela cidade que visitava em seus sonhos, as pessoas estranhas lhe chamavam para baixo, pareciam felizes em vê-la. Sorria plena. O céu era um infinito de cores lindas que tinham formas diferentes… Era impossível não ficar encantada. Olívia abriu os braços e se jogou. Finalmente conseguiu voar!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Rafaela Uchoa

O sobrevoar de uma vida entre universos paralelos

     Quando Heloísa deixou sua casa naquela manhã de domingo não imaginava o que também estaria deixando para trás. Não pretendia nada mais que uma caminhada naquele dia ensolarado. Acordara com os raios de sol discretamente expostos no teto como as linhas de Nazca vistas do alto. Sorriu ao despertar, sentia-se plena e cheia de energia. Deu bom dia ao seu irmão mais velho que dividia apartamento com ela, vestiu-se e foi andar pela rua no pretexto de tomar um suco.

      Fazia calor em São Paulo e Heloísa andava confortavelmente pela calçada até que avistou Rezon na bancada da lanchonete que estava indo comprar o suco. O rapaz era filho de judeus refugiados da Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial, muito bonito e cordial. Heloísa sentiu um palpitar estranho no peito ao deparar-se com Rezon que não chamava a atenção dela apenas pelo tipo físico, já havia conhecido muitos rapazes bonitos, mas aquele tinha algo em seu espírito que de alguma forma precisava se conectar com o dela. De repente, Heloísa sentiu um tremor e formigamento nas mãos tamanho que não pensou em outra coisa a não ser voltar pra casa em passos de fugitivo. Ela podia tentar, mas o acaso não a deixaria escapar de viver uma história de amor com Rezon.

       No dia seguinte ao que o conheceu, Heloísa se deparou com o rapaz na sua classe da faculdade, daí a eles se aproximarem foi apenas questão de dias e, mesmo com as diferenças culturais, os pais de Rezon se sentiam muito grato aos brasileiros por terem os acolhido bem, por isso, não faziam vista grossa ao namoro dos dois, mesmo no fundo preferindo que Rezon se relacionasse com uma mulher judia em função das leis da Torá. Heloísa e Rezon namoraram por quatro anos e ao concluírem a faculdade decidiram morar juntos. Era impressionante aos olhos de todos como os dois se davam bem e se amavam verdadeiramente. Era um casal que brilhava quando estava unido, parecia que um exaltava o melhor do outro numa simbiose fantástica. Foi uma união de muita felicidade e troca, até o dia em que Rezon e Heloísa estavam tomando um suco na mesma lanchonete que ela havia o visto anos atrás pela primeira vez. No momento em que ela foi ao banheiro ouviu um estrondo e gritos, ao virar-se de costas viu um carro que esmagava Rezon contra o balcão da lanchonete matando-o na hora.

       A partir daquele dia Heloísa começou a ouvir estranhas vozes que variavam entre o que parecia uma senhora de idade que lhe dava sermões o tempo todo e outras desconexas que não paravam de sussurrar-lhe frases ininteligíveis. Heloísa acabou sendo submetida a um tratamento psiquiátrico, muito pouco convencional pra época, com um psiquiatra que estava experimentando investigar a loucura não só por meio de psicoterapias ou pela investigação psiquiátrica convencional, ele queria descobrir causas espirituais para os transtornos psíquicos de seus pacientes.

     Heloísa não se tornou uma psicótica agressiva, ficava muito mais em seu mundo, introspectiva e de poucas palavras. Suas crises estavam instaladas quando ela saia andando por aí, parava, olhava para o que parecia o nada e fazia gestos suaves com a mão, como uma mímica, sempre na menção de expulsar alguma coisa que estava lhe falando ou aparecendo. Ela não chegava a ficar nervosa, espernear ou gritar, o problema é que muitas vezes se perdia andando a ermo e a equipe terapêutica passava horas, às vezes, dias procurando-a pelos arredores do sítio onde ficava instalada a base do médico e sua equipe.

    Após um ano de tratamento, os chamados “sensitivos” foram juntando minúcias e descobriram, através de hipnose e regressão, o que parecia ser uma explicação para a voz da senhora idosa que aturdia os ouvidos de Heloísa. Em outra vida, ela teria sido a avó do espírito de Rezon que era uma menina que morreu aos nove anos ao cair de uma carroça de cavalo que a mãe guiava rebeldemente após uma briga com a avó de Rezon. A mãe era Heloísa que na outra vida nunca se perdoou por ter guiado imprudentemente a carroça causando a morte de sua filha.

      Com isso em mãos, a equipe do psiquiatra inventivo tentava muitas vezes tratar diretamente com a vó do espírito de Rezon para que deixasse Heloísa em paz nessa vida que ela já havia sofrido muito e continuava sofrendo com o cumprimento do seu carma. Heloísa teve significativo progresso nesse tempo e resolveu voltar pra casa dos seus pais. Após alguns meses, mostrando plena melhora, sentiu que precisava buscar mais respostas do mundo espiritual e mudou-se para uma aldeia de índios no interior. Lá experimentou diversos rituais com ayahuasca, sempre na busca de acertar suas contas por si mesma com o seu passado espiritual.

       Já haviam se passado dois anos que Heloísa estava morando com os índios até que numa madrugada, após uma forte pajelança, ela foi dormir e sonhar. O sonhar que havia aprendido com os índios era diferente do simples emergir do subconsciente, havia aprendido a atravessar os portais do sonho e, através dele, visitar outros universos paralelos, até mesmo, quem sabe, os mesmos que as perturbavam quando ela estava em “surto psicótico”. A Guerreira, como sugere o significado do seu nome, foi fundo demais ao atravessar os portais dos sonhos e ao deparar-se com uma dimensão que a libertou de todo o seu passado, resolveu ficar por lá e não acordou mais. Sua matéria virou uma luminosa partícula que foi desprendida à imensidão do universo; do real e dos paralelos.

3 Comentários

Arquivado em Rafaela Uchoa

A força do verdadeiro

Desse lado é a voz de quem vive que fala mais alto. Diante de seus ternos e cartões de visita há uma plebéia que não agüenta sentir seu cheiro de perfume caro misturado com sebo de alma. Só conseguia sentir nojo daqueles lobistas bilionários proferindo aos sete ventos que eram a “elite pensante do Brasil”. Tá pra nascer elite mais ignorante! O povo, mesmo sem acesso a digna educação, está muito mais ciente do caos coletivo do que aqueles que ainda herdam um sobrenome ou uma grande empresa.

É quase uma prostituição ter que trabalhar num ambiente em que as pessoas te olham de cara feia, apenas porque você está transitando entre as mesas deles. Minha sorte foi que, passado esse pesadelo de perder algum tempo de vida junto a grandes empresários (que no fim se misturam a mim, já que estávamos todos lá por dinheiro), eis que sinto vida de verdade.

Ágata, 28 anos e muita história. Sentada na “cadeira da verdade” contou que seu irmão a levou pra zona, falando que lá ela ganharia dinheiro de fato. Ele já estava na vida há algum tempo e ela de cara curtiu. Ágata possui uma imponência ao falar que ninguém duvidou do seu amor à profissão. O agito, a noite, as possibilidades, inclusive, de uma vida mais rentável se tornaram sua paixão. A boate estava vazia, não havia trabalho para aquela noite, portanto, ela pôde contar sua trajetória sem nenhum incomodo. Já foi casada, já teve homens aos seus pés. Mas não conseguiu largar da vida pra vida normal. Amélia? Dona de casa? Sem movimento no universo? Jamais. Um belo dia chegou em casa de manhã, o marido esperando. Onde você estava? Na zona, não agüento mais. E foi o seu grito de adeus, sua alforria para uma vida que muitos consideram prisão. Pra ela é liberdade. Sim, liberdade! Pros que vivem a margem não há julgamentos. Há apenas existência, diversão e sobrevivência. Foi por essas três coisas que Ágata resolveu voltar pra zona e é feliz até hoje.

Já a Jessica, com uns 30, tem quatro filhos, é puta e os cria com muito amor. Agradece a deus por não lembrar do rosto do sujeito que é pai da sua filha mais nova. Tava doidona e não lembra, a filha é só sua, assim como seu corpo. Ela conta que os filhos salvaram sua vida, são a sua motivação. Trabalha ali profissionalmente, já que o que gosta mesmo é de mulheres. Fala da sua namorada com ternura, em meio à uma retrospectiva de clientes.

A doce e meiga Rúbia parecia uma garota de 17 anos, com RG de 35. Muito sensível e de bom coração, desistiu de descer da áreazinha aberta onde estávamos para ver se havia clientes e ficou conosco a noite inteira. Contou de suas filhas, que de um acidente do acaso, viraram suas grandes paixões. A idade varia pouca coisa, mas o amor é imenso. Uma doçura sagaz, intensa e verdadeira a da Rúbia.

Foi um fim de noite muitíssimo agradável ao lado de todas essas mulheres de verdade. Conhecemos as outras garotas e todas se sentiram muito a vontade pra dividir suas histórias, tristezas e alegrias conosco, mesmo que por poucas horas. A empatia foi tanta que uma de nossas amigas estava fazendo aniversário e, no meio de um papo astrológico, assim que elas souberam puxaram um parabéns que tenho certeza que nenhum de nós vai esquecer.

Posso dizer que nesse dia fui salva. Salva pela simplicidade, força e beleza dessas mulheres. Ao contrário dos pingüins de terno que tive de agüentar horas antes, pude cruzar com olhos que gritam “intensidade” o tempo inteiro. Abençoadas sejam as putas.

4 Comentários

Arquivado em Rafaela Uchoa

Incógnita

Sobre uma breve e nova paixão o que tenho que dizer? Sobre acordar depois de um sonho num paraíso indescritível ao lado de você mesmo. Acordar, olhar para as paredes, ver que tudo continua ali escrito, olhar para o lado e ver que o celular continua com muitos alertas. Olhar para o travesseiro e ver a possibilidade de um resgate.

Ao mesmo tempo em que tomo banho, olho pela janela a vastidão do mar que parece se mexer. Daí percebo que toda a casa está se movendo junto.  Fecho os olhos e imagino uma chegada linda, me percebo perto de tudo aquilo que me faz florescer.  Até que estaciono.

Cortinas de plantas se formam diante do rio imenso que surge ao lado do mar e de todas as criaturas multi coloridas que despontam desse devaneio.  Pensei em viajar, escrever, sentir algo… Como o que sugerem de fulgás. O negócio é que venho sentindo demais, tenho sonhado demais, venho vivido pouco. E no sonho tudo é esplendor. Eu não tinha que doer porque eu não escrevia. Se fugir da dor é simplesmente não ouvir o amor estou a salvo. Tudo se move, mesmo o que não parece fluído vira. E o que tem que doer, dói. E o que tem que fluir…Flui.

1 comentário

Arquivado em Rafaela Uchoa

O espelho e o tornar-se

Talvez seja a hora de vomitar um novo mundo. Obviamente, você mesma não sabe do que se trata. A maioria das vezes vem como um lampejo de vida. É mágico não pensar, mesmo  ao que mais te exige uma história. Mas de um jeito ou de outro, Sally vai nascendo e, com ela, todos os outros personagens.

Ouço uma música que não entendo, ouço vozes que não conheço, me torno borboleta. Me torno vida, me torno escrita, me torno prazer.  E tudo mais que não se pode mensurar. Meus dedos correm suave e densamente no que me torno e no que escrevo. A metalinguagem sempre foi uma de suas maiores marcas, Sally.

Sally se vê num balanço de um parque. Seus dedos se contraem contra as correntes metálicas que sustentam o pneu pintado de vermelho. Os ares leves de inocência e magnitude desenham em seu rosto um largo sorriso. Sally ainda não descobriu o por que de sua visão. Ela mal sabe se realmente está lá ou se está sonhando.

O que será que Sally está fazendo?  Quem é Sally ao se ver no espelho? Ao mesmo tempo em que ela vê o seu reflexo, ela percebe que está sendo vista. Pelo que seria o reflexo do espelho?  Pelo que seria Sally de frente para algo? Sally pensa em atravessar o espelho. Ela não se vê reflexo. E, de repente, Sally se vê dentro de uma sala repleta de espelhos. Ensaia movimentos tímidos com a cabeça, em seguida levanta uma perna devagar. Enxerga o que nunca viu antes, fecha e abre os olhos lentamente, abaixa a perna no mesmo ritmo e então, ela resolve se aproximar. Do espelho. Ela o toca com a mão esquerda que lhe parece direita. Pisca os olhos, como se tomada por um torpor de inquietude, eles se reviram por completo. É impassível de interpretação o que ela sente agora. É apenas sentimento. Ela olha fundo em seus próprios olhos, refletidos em tantos lugares. Sua alma parece percorrer todos… os lugares. Ela está tomada de si, ela está tomada de vida, ela é só intensidade.

Sally, você superou suas próprias marcas? E todo aquele sofrimento que lhe tomou por tantos anos? Por que está de volta, Sally? “Dear Sally, this is not the way…” Sally encontrou a vida que achava que tinha perdido, ela sempre esteve aqui. Assim como o seu reflexo. Numa ordem disjuntiva, numa não-ordem. Eis que ela ressurge de todo tipo de penhasco. Sally está de volta. E cheia de vida. Ela reluz e. Brilha.

1 comentário

Arquivado em Rafaela Uchoa

Bandeira Branca

 

Na porta do quarto esperava. O corredor estava aglomerado, a fila de homens aumentava escada abaixo. Ela olhava para o teto, no momento em que ele surgiu. Eles entraram no quarto, ela fez o de sempre. Era o último da noite. Ela foi tomar banho, de fora ouvia Bandeira Branca tocando. Ficou muito entusiasmada, era hora da diversão. Voltou ao quarto e fez de si uma mulher deslumbrante. Vestido justo preto, desenhando suas belas formas, batom vermelho que ressaltavam seus lábios desenhados, salto alto e um belo sorriso marcado no espelho.

A escola de samba estava tinindo. Ela cumprimentou seus vários conhecidos e sentou numa mesa sozinha, pois fazia questão de tomar sua cerveja sentada e antes de qualquer coisa. O garçom a serviu e ela tomou o primeiro gole. Era muito gostoso observar os presentes e apreciar sua cerveja. Olhava atentamente para as pessoas. A maioria estava eufórica, dançando sem se importar com o amanhã. Ela tomava sua cerveja e sorria ao ver toda aquela gente curtindo. Resolveu escrever um pouco, apreciava a solidão alcoólica junto a uma mini criação literária. Pegou um guardanapo, uma caneta na bolsa e fez um ponto no papel branco. O inicio era sempre o mais difícil. Ao pensar isso, riu consigo, pois na vida o inicio é o mais fácil, o meio e os fins que são sempre dolorosos. Apesar disso, conseguiu esboçar a 1ª linha de sua prosa. Era isso, começa-se sem saber o meio ou o fim, é isso que torna espontâneo.

Quando já estava lá pelo 3º parágrafo e sem ter uma história ao certo veio uma vontade incontrolável de fazer xixi. Já tinha bebido uma garrafa e meia. Pra não perder a mesa, ela pediu para que um rapaz do bar, seu conhecido, olhasse pra ela enquanto ela ia ao banheiro. Foi correndo até lá, o bendito já estava pra sair. Não tinha ninguém, ela entrou de uma vez, mal abaixou a meia calça e a calcinha e o jato já se formou. Sensação de alivio completa, apesar da posição malabarista não ser nem um pouco confortável. De cócoras em cima da privada, a bolsa numa mão e com a outra segurava a fechadura do banheiro que não fechava. Um dilúvio se fazia por entre suas pernas, intermináveis aqueles 500 ml de cerveja. Contava os quadrados do azulejo da parede azul a sua frente, até que olhou pro chão e viu uma caixinha de música bem ao lado da lixeira e de uns poucos papeis caídos. Xiiiiiiii. Xixi interminável. E a caixinha de musica atraiu totalmente sua atenção. Finalmente terminado o fluxo aparentemente incessante de urina, ela foi direto na caixa de música. Abriu sem nenhuma esperança que funcionasse e realmente não funcionou. Musica não tocou, mas lá dentro estava a bailarina rodando e a frase “Tudo está cheio até a borda” escrita no pequeno espelho da caixinha.

Ela voltou para a mesa com a caixinha. A frase, obviamente, não saia da sua cabeça. Sim, até ela estava cheia até a borda, e o pior era não conseguir esvaziar-se num texto, no samba que estava ou mesmo em sua profissão. Mas isso não era o mais importante… Mas quem teria deixado aquela caixa ali? E por que a frase? Rapidamente veio a cena na sua cabeça. Um cliente apaixonado por uma prostituta tentou com que ela virasse uma mãe de família, cristã e moralista, mas ela recusou-se e esse foi o presente dele para ela que o jogou fora no primeiro lixo de banheiro que achou. Riu alto com sua estória fantástica, mas pensou que era uma boa trama para o conto que nunca lhe saia. Amassou as duas folhas de guardanapo nas quais tinha escrito nada com nada, pegou uma nova e escreveu uma palavra, até que uma colega sua chegou aflita. Amiga, o Tonhão ta atrás de mim. Tem duas diárias que não dou a ele, desafiei mesmo… Ele disse que vai me matar. A primeira palavra do guardanapo foi “amor”. Ela olhou firme para a amiga e disse; fica aqui, nada vai te acontecer, esses exploradores de merda não tem mais direitos, você falou com a Tatinha? A amiga disse que sim e que ela não podia fazer nada, porque ele que cuidava da milícia quando ela aparecia querendo fechar a zona. Ela já sabia disso, só citou a cafetina pra tentar acalmar a amiga. Viu aqueles olhos esbugalhados diante de si e, ao mesmo tempo, olhou para o lado e viu o Jeferson, seu velho conhecido, policial.

Ela se levantou e o cumprimentou. Sua amiga ficou estática olhando para os dois, já tinha entendido o que ela pretendia. Estava combinado, Tata pagaria uma porcentagem do seu trabalho em troca da proteção do Jeferson e logo o gigolô não ia mais incomodá-la. Ela falou para a amiga relaxar e puxou os dois para dançar, não era mesmo hora de escrever. Em meio a muito samba e suor, Tata conversou com Jeferson e eles se acertaram. Ela ficou feliz em proteger a amiga e viu que aquela era a hora de se deixar levar pela música. Afinal, aquele foi um dia exaustivo de trabalho e sem um conto produzido. Jeferson migrou para o grupo dos colegas e ela e Tatá sambaram como loucas. Alguns homens as paqueravam, mas ela se sentia cansada demais pra dar bola pra algum deles e Tatá nem os via. A bateria da escola pulsava em cada um dos corações presentes, e ela sorria extasiada. Foi quando ouviu o barulho de um tiro. Olhou em sua volta, nem todo mundo tinha ouvido, nem ela tinha certeza se fora realmente um tiro. Até que olhou para sua amiga, no mesmo momento em que ouviu o segundo tiro. Tatá caiu no chão ensangüentada. Ela caiu por cima do corpo da amiga de desespero, gritava sem parar, a musica ainda não tinha parado. Depois do terceiro disparo a escola em peso entrou em pânico. Algumas pessoas corriam, outras se abaixavam. Jeferson foi correndo até as meninas, até ser atingido pelo quarto tiro. Ele caiu com a cabeça por cima da barriga de Tata. Tonhão se aproximou dos três, suando como um porco e gritando que não tinha medo de nada, não tinha medo de ninguém. A multidão gritava apavorada, Tonhão deu mais um tiro pra cima e mandou todo mundo calar a boca. Ele apontou a arma para ela, seus olhos se esbulharam; Não faz isso, Tonhão. Relaxa, cara, eu não te fiz nada. As palavras dela soaram como agulhas em seus ouvidos, ele puxou o gatilho e atirou na perna dela que caiu por cima de Tatá ensangüentada. Vai proteger sua amiguinha vai, agora tu e ela se foderam! Tonhão se aproximou, sentou de joelhos ao seu lado e sussurrou no ouvido dela: Seu desejo não é maior que o meu. Logo em seguida, levantou-se e quando apontou a arma para a cabeça dela sentiu uma bala perfurando sua coluna vertebral e caiu no chão. Era a policia. Ela não sabia se sentia alivio por não ter morrido ou se sentia mais medo da reação dos PMs ao verem que um dos seus foi assassinado.

Ela recorda desse dia como um triste e sangrento transbordar, sem bailarinas ou caixinhas de música.

1 comentário

Arquivado em Rafaela Uchoa

Uma nova maneira de pensar

By Rob Gonsalves

Tantas coisas correm pelo meu espírito que mal posso conceber um início. Mas é disso mesmo que se trata; uma nova maneira de pensar.

Vive-se tão preso na interioridade e na necessidade extrema de admitir um sujeito, que Deleuze foi obrigado a nos dizer está tudo errado, o real é o pensamento do fora. É daí que começa a angustia, como podemos pensar em alguma coisa que não inclua um sujeito? Pois ele insiste; não existe um sujeito, existem peças, o homem é mais uma delas. É então que surge uma tríplice aliança: o homem, o cavalo e o estribo. O homem-homem, o cavalo-animal e o estribo-objeto, três categorias diferentes, portanto, heterogêneas. Ao juntar-se, funcionarão para a formação do cavaleiro estribado. A isso dá o nome de agenciamento. Nesse agenciamento específico, cada elemento funciona como uma peça, portanto, não existe sujeito, mas sim, peças. Peças heterogêneas que se juntam não espontaneamente e co-funcionam formando um agenciamento. Então surge a questão: se não há sujeito, o que causa o agenciamento? Essa é a grande dificuldade da maioria das pessoas de compreenderem Deleuze. É muito difícil admitir que o homem não é o centro. O centro é o desejo. Portanto, toda aquela história de interioridade e interpretação não passam de mera ficção. O sujeito é uma ficção. O desejo é real. Alguém vai perguntar: mas de onde parte o desejo? O desejo não parte de lugar algum, ele não depende de sujeito ou objeto. Tudo é desejo. Só ele é real e, ao mesmo tempo, abstrato. Não tem figura, ele pode devir qualquer coisa. Mas nós não estamos acostumados a lidar diretamente com os desejos. Pra isso criaram uma máquina psicanalítica que troca o desejo (ou real) pelas interpretações. É a interpretose, ou doença do desejo.

E, por que, a interpretose é tão nociva ao espírito? Oras, a ficção que nos contaminou é a de que tudo está no sujeito. Mas como partir de representações do seu interior se esse sujeito não existe? Não seria mais inteligente, enxergar os agenciamentos e procurar se livrar dos que não prestam? É partindo desse ponto, jogando as interpretações no lixo e perguntando-se para que aquilo serve que se promove uma mudança real. Para que continuar num trabalho que você se diz infeliz? Para que continuar uma relação amorosa que não lhe trás alegrias? Para que morar numa casa que você detesta? Isso não tem nada a ver com necessidade, o que existem são desejos. Você DESEJA mudar? Você DESEJA se livrar dos agenciamentos que diminuem sua potência? Você DESEJA viver com intensidade? Pois vamos produzir novos desejos! Façamos de nossa máquina corpórea uma fábrica de desejos, desejos de mudança, desejos de rompimentos, desejos reais. Essa é a verdadeira revolução. E o que existe são apenas revolucionários ou reacionários. Os revolucionários criam, inovam, experimentam. O medo não quer dizer nada para eles. Eles não tentam melhorar a máquina do capitalismo, eles querem destruí-la. A revolução é ser forte, é se jogar rumo ao novo; é romper com tudo que ameaça-nos como potências. Os reacionários não conseguem buscar a liberdade. Ficam presos numa interioridade ilusória, mascaram suas vidas com os moldes da máquina do capital. São viciados no medo, na culpa, na resignação.  Deixam seus desejos adoecerem. Chamam de inconsciente e desejo toda essa gama de repressão que carregam na suas construções de sujeito. O inconsciente para o pensamento moderno nada tem a ver com isso, ele não precisa ser interpretado, e sim, produzido, naturalmente. A natureza é uma grande produção.

Eu diria que a maior parte de nós está doente. Doente de um mundo imaginário que insistem em nos dizer que é real. Doente de prostração, adaptação e conformismo. Doente de medo. A mim, cabe a tarefa de tentar promover o mínimo de compreensão a mim mesma e aos que me lêem. Enxergar essa doença não deve nos entristecer ou nos fazer padecer ao terror. A compreensão dessa realidade será uma injeção de partículas de vida co-funcionando nos nossos espíritos. Experimente.

11 Comentários

Arquivado em Rafaela Uchoa